terça-feira, 10 de agosto de 2010




Onde Andará

Onde andará na lembrança

aquele rosto querido,
as linhas daquele rosto
que a memória nem alcança
pois hoje jaz esquecido?
Não lembrar é um tal desgosto
que nem me fica a esperança
de achar o que foi perdido.

As lembranças com esse rosto
vêem associadas à docura
lembro-me quanto o amei
mas não os traços, (loucura);
não lembro porque partiu
ou do quanto que o beijei e,
nem porque pra minha mente
esquecê-lo, a ordem eu dei!

Num esforço de memória,
partindo do pressuposto
que dentro da minha história
foi importante este rosto,
só me resta o desconforto
de, sem querer. ter me imposto
a obrigação vã e inglória
de dar vida ao que está morto.


Theo Drummond//JJ.Braga Neto

2 comentários:

kauana disse...

♥ perfeito como sempre

marilandia disse...

EM UNÍSSONO, DUAS VOZES QUE SE ENTRELAÇAM EM BELÍSSIMO VERSEJAR!!!

BEIJOS AOS DOIS GRANDES POETAS.

MARILÂNDIA