quarta-feira, 18 de novembro de 2009

VELHO



Velho

No rosto, as marcas do tempo,
lá estava o velho me olhando
com seu fardo de saudade
sob as costas carregando.

O tempo em que perdeu tempo
ficou no tempo marcado
eu vi nos olhos do velho
-que envelheceu prematuro-
em um relógio quebrado!

Eu vi a tristeza do velho
sob o peso de suas dores
lembranças de tantas mágoas
cicatrizes, dissabores.

Como areia de ampulheta
– que vai ao tempo escoando-
pude ler no olhar do velho
“Perdi o compasso a tempos,
de um tempo que está acabando”!

Mas vi nos olhos do velho
que firmes ele mantinha
forças geradas na calma
-chama que provém da alma-
que muito tempo ainda tinha.

Manquitóla de um joelho,
saí da frente do espelho
sorrindo pra aquela imagem,
do velho, que era a minha!

João Braga Neto

Um comentário:

Nadir disse...

Poesia que traduz a verdade em cada verso!, Velhice é boa ou má?Boa...no momento que ficamos seletivos, e essa faculdade foi exatamente, devido as experiências
que a vida impôs, mais sábios, pois aprendemos com nossos próprios erros..etc..etc...É má quando o tempo cobra seu preço,trazendo doenças, faz parte do contexto...
Braga o blog está lindo menino!
Agradeço ainda a mensagem deixada em meu espaço virtual.
Abs...Nadir
http://www.nadirdonofrio.com